21 agosto 2005

Primeiro Post

Passo? Não passo? A pergunta viajou comigo desde que respondi ao convite do Blogger, já lá vão mais de quinze dias. Não posso dizer que me sinta arrependida. Foi talvez prematuro fazê-lo logo na véspera de uma partida. Passo? Não passo? A linha imaginária que separa o lado da leitura do lado da escrita. Será descabido esse meridiano? Provavelmente. E, admitindo que passo finalmente de leitora a escritora, há sempre uma outra pergunta — escrevo o quê? Manter-me calada, e prolongar a escuta, é passar por casmurra honorária. E confirmar, contra a minha própria vontade, o papel que se me colaria à pele por efeito da inércia. Mas há, no fundo, uma secreta alegria em tudo isto. Não a titilação do diário em rede, mas a escrita que toma corpo de repente e corre diante de mim. Isso, sim, seria um começo — a escritora que não chegou a escrever... Mas foi precisamente assim, diante do espelho de água da albufeira, que a resposta chegou para quebrar o bloqueio — passo, passo…