10 julho 2005

O tri-partido (dois protestos)*

Protesto:

A frase ‘‘Como se o Figurado abusasse do Literal’’ é extremamente perigosa. Já temos muitos abusos: sexuais, fiscais, morais, etc.; escusado aumentar o rol. Demais, o abuso reproduz-se, pois o autor da frase amputa o tropo, se pressupõe uma estrutura bipartida da catacrese, quando esta tem na verdade uma estrutura tripartida. Literal, Figurado, Próprio. Seja: ‘O Jacinto é um asno.’ Em sentido literal: o Jacinto é um mamífero de orelhas pontiagudas, quatro patas, ar melancólico, cor acastanhada, que zurra e abundava para os lados de Sintra. O sentido figurado designa o Jacinto (e por isso mesmo o dito não gostará da figura). Sentido próprio: alguma qualidade comum ao asno e ao Jacinto, e aí, meus caros, fica ao vosso critério. Mas atenção! sejam criteriosos, porque sem isso nada de metáfora!

Protesto do protesto:

Embora concordando que a frase ‘Como se o Figurado abusasse do Literal’ é extremamente perigosa, o MLRTF (Movimento para a Libertação e Radicalização dos Tropos e Figuras) denuncia a atrocidade maior: dizer que o Literal nem existe. Trata-se de grosseira mistificação. O que já não existe é o tenebroso verbum proprium, inimigo principal dos tropos e figuras, há muito exterminado pela justa luta do nosso Movimento, que na catacrese obteve notável vitória. As forças obsoletas da naturalização da linguagem, empenhadas em escamotear as vitórias do nosso Movimento revolucionário, falam em inópia da língua, como se fosse dado natural. Outra grosseira mistificação, que porém não nos desanimará. Cerremos fileiras em torno da catacrese: o verbum proprium tem que ser combatido onde quer que se acoite, perseguido, encurralado e exterminado sem piedade. Viva a justa luta do MLRTF!

*De Caderninhos de Retórica do Groucho, fl. 73b-c.