15 novembro 2005

A errata irritante (V)

― Oh Groucho, não me venha com surpresas! O senhor sabe perfeitamente que está apenas a esfolar o que eu já tinha morto.
― E o senhor fala como se eu fosse o seu alter ego, quando já percebeu que as nossas duas leituras do excerto são perfeitamente incompatíveis. Aliás, chamar “leitura” ao que o senhor fez é um enormíssimo favor. Ou terei de ser eu a explicar-lhe que a indignação nunca produz qualquer leitura?
― Mas não é indignação coisa nenhuma! Irritou-me. Aquela errata irritou-me, não me posso irritar?
― Concedo-lhe esse ponto. Mas… a errata irritante… a errata irritante… por acaso, não haverá aí uma citação?